Municípios

O pecado da Ingratidão

O pecado da Ingratidão

* Por Jeremias Carvalho

O pecado da Ingratidão – Foto: Reprosdução

Conta uma lenda Judia, que certa vez um homem foi condenado à morte. Na prisão, este homem foi acertado por muitas vezes com grandes pedras atiradas por carrascos. O réu suportou em silêncio o terrível castigo. Nenhum grito se ouviu dele. Na sua condição, compreendia que a desgraça havia caído sobre ele e que seus gritos de nada serviriam.

Passou por ali um homem que havia sido seu amigo. Pegou uma pequena pedra e atirou na direção do condenado. Somente para demonstrar que não era do seu partido. O pobre condenado, atingido pela diminuta pedra, deu um grito estridente.

O rei, que assistia tudo, ordenou que um dos seus lacaios perguntasse ao réu porque ele gritara quando atingido pela pequena pedra, depois de haver suportado sem se perturbar as grandes.

O condenado respondeu: as pedras grandes foram atiradas por homens que não me conhecem, por isso me calei. Mas o pequeno seixo foi jogado por um homem que foi meu companheiro e amigo. Por isso gritei. Lembrei de sua amizade nos tempos de minha felicidade. E agora vi sua felicidade quando me encontro em desgraça.

O rei compadeceu-se e ordenou que o pusessem em liberdade, dizendo: solte-o, mais culpado do que ele era aquele que abandonara na desgraça.

*Jeremias Antônio de Carvalho é graduado em Pegagogia (FLATED), Filosofia (UFPI) e concludente de Computação (UFPI). Funcionário público da Rede Estadual de Ensino e da Prefeitura Municipal de São Julião. Também é editor-chefe do Portal É Notícias.

Comentários Facebook

Artigos relacionados

Fechar
Fechar