DestaquePolítica

‘Passar fome no Brasil é uma grande mentira’, diz Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro toma café da manhã com correspondentes de jornais estrangeiros, em Brasília Foto: Reprodução/Facebook

RIO — O presidente Jair Bolsonaro afirmou , na manhã desta sexta-feira, que não há fome no Brasil. Durante café da manhã com correspondentes de jornais estrangeiros, o chefe do Planalto disse que “não se vê gente, mesmo pobre, pelas ruas, com físico esquelético” e criticou o que chamou de “discurso populista”.

— Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal, não come bem. Aí eu concordo. Agora, passar fome, não. Você não vê gente pobre pelas ruas com físico esquelético como a gente vê em alguns outros países por aí pelo mundo  —  disse Bolsonaro.

Relatório do Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e Caribe 2018, divulgado em novembro do ano passado pela ONU, mostrou o crescimento da fome no Brasil . O estudo estimou que a desnutrição alcançou até 5,2 milhões de brasileiros entre 2015 e 2017, ante os 5,1 milhões calculados para os triênios 2014-2016 e 2013-2015 e os 5 milhões, de 2010-2012. No triênio 2000-2002, 18,8 milhões de brasileiros sofriam com a fome.

Depois do encontro com correspondentes no Planalto, no qual também negou a volta da CPMF , Bolsonaro se irritou ao ser questionado por outros jornalistas sobre as declarações sobre a fome. Ele recuou e reconheceu que “alguns passam fome” .

— Olha, o brasileiro come mal. Alguns passam fome. Agora, é inaceitável um país tão rico como o nosso, com terras agricultáveis, água em abundância, até o semi-árido nordestino tem uma precipitação pluviométrica maior do que Israel — declarou o presidente, no fim da manhã.

Questionado se estava voltando atrás na declaração de mais cedo, o presidente alterou a voz e ameaçou encerrar a entrevista.

— Ah, pelo amor de Deus, se for pra entrar em detalhe, em filigrana, eu vou embora. Eu não tô vendo nenhum magro aqui, tá certo? Temos problemas alimentares no Brasil? Temos, não é culpa minha, vem de trás, estamos tentando resolver — afirmou Bolsonaro.

Entrevista aos correspondentes

No café da manhã no Planalto, Bolsonaro havia sido questionado por uma correspondente do jornal espanhol “El País” sobre planos do governo federal para dar suporte a soluções para o aumento da pobreza e da fome no país. A jornalista citou encontro com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que, segundo ela, demonstrou preocupação com o número de pobres e famintos e comentou sobre conversas com o Planalto em prol de políticas para o problema. Em entrevista ao GLOBO, Maia disse se preocupar que o governo não tenha “uma palavra para o pobre” depois de seis meses de gestão.

Durante a entrevista aos correspondentes, Bolsonaro criticou que governos anteriores tenham atrelado a distribuição de riqueza à concessão de bolsas. Criaram, segundo ele, “um país das Bolsas”. O presidente disse que só o conhecimento tira o cidadão da miséria e criticou o que chamou de “discurso populista” sobre a fome.

— Esses políticos que criticam a questão da fome no Brasil, no meu entender, tem que se preocupar, estudar um pouco mais as consequências disso. Lá, é precipitação pluviométrica [chuva] é menor que do Sertão nordestino. Eles conseguem não só garantir sua segurança alimentar, como exportar parte para a Europa. Falar que se passa fome no Brasil é discurso populista, tentando ganhar simpatia popular, nada além disso.

O presidente respondeu à jornalista do “El País” que, de um hectare de lâmina d’água, é possível retirar de dez a 15 toneladas de peixe tilápia por ano. Segundo ele, fazer uma pesquisa central hidrelétrica ou uma pequena represa no Brasil “é quase impossível” pelo que chamou de “psicose ambiental”.

Na visão de Bolsonaro, cabe ao Executivo e ao Legislativo apenas “facilitar a vida do empreendedor, de quem quer produzir, e não fazer esse discurso voltado para a massa da população”. Segundo o presidente, tal postura conduziria o país a uma situação semelhante à da Venezuela. Ele disse que Hugo Chávez implementou o socialismo, e o país chegou à miséria que vive hoje.

— Se as autoridades, nós não atrapalharmos o nosso povo, essas franjas de miséria por si só acabam no Brasil, porque o nosso solo no Brasil é muito rico para tudo o que você pode imaginar — disse o presidente.

Comentários Facebook

Artigos relacionados

Fechar
Fechar