DestaqueNotíciasPicos

Apicultores descobrem nova flor e produção de mel aumenta em 30% em Picos  

Apicultores descobrem nova flor e produção de mel aumenta em 30% em Picos
Apicultores descobrem nova flor e produção de mel aumenta em 30% em Picos  

Durante a criação de abelhas, os apicultores piauienses da região de Picos, no Sul do Piauí, descobriram, nas áreas de roças, pequenas flores brancas de arbustos que estão salvando e alimentando suas colmeias. É a planta chamada amancebado.

Ao mesmo tempo, para enfrentar as sucessivas secas na região, os apicultores piauienses para manter a produção do mel orgânico, que os deixou famosos mundialmente, promovem migrações de suas colmeias para o Maranhão, Ceará e Pará. Nessas migrações, os apicultores piauienses descobriram que suas abelhas podem produzir mel consumindo néctar das flores das plantas das áreas de mangue.

A gerente comercial da Cooperativa Apícola de Macrorregião de Picos (Campil), Roseni Josefa de Moura, informa que os apicultores congregados pela entidade produziram 420 toneladas neste ano, 30% a mais do que a produção do ano passado, mesmo um inverno desfavorável.

Segundo ela, para enfrentar as sucessivas secas, os apicultores adotaram novas técnicas e procedimentos, como a migração das colmeias. Roseni Josefa de Moura falou que os apicultores da Campil são profissionais e fazem a migração de abelhas produzindo no Piauí, Maranhão, Ceará, Bahia e Pará. “Tendo as flores e o néctar para se alimentar, as abelhas se dão bem, independente da florada”, disse.

Roseni Josefa de Moura afirmou que os apicultores da macrorregião de Picos perceberam que começaram a surgir em vários campos apícolas pequenas flores brancas rasteiras, na época da florada do marmeleiro.

“Eu não tinha visto essas plantas e eu vi as abelhas colhendo néctar dessas novas plantas”, acrescentou, ao destacar que os cerrados e a caatinga, na região do Semiárido, têm uma grande biodiversidade em termos de plantas nativas.

A macrorregião de Picos tem mais de 6 mil apicultores. Suas abelhas têm no Piauí uma florada diversificada, como o marmeleiro, angico, bamburral, jitirana, além de outras flores.

Mas com a migração para o Ceará, as abelhas dos apicultores piauienses encontram outras plantas, como cipó-uva , vassourinha e velamizinho. No Maranhão, as abelhas encontram o hortelãzinho, que tem uma grande florada e as folhas das plantas do mangue. No entanto, nesse caso, as abelhas voltam ao Piauí muito desgastadas porque as flores do mangue fornecem o néctar, mas não o pólen, que usam para se alimentar.

No Pará, as abelhas encontram grandes floradas, principalmente na região de Santarém. Acompanhe a matéria com Cínthia Lages na Rede Meio Norte.

Fonte: Meio Norte

Comentários Facebook

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar