MunicípiosPolícia

Feminicídio | 28 mulheres foram assassinadas brutalmente no Piauí em 2019

Feminicídio | 28 mulheres foram assassinadas brutalmente no Piauí em 2019

O Brasil sendo o 5º país do mundo onde mais acontecem feminicídios, o crime de ódio em relação ao gênero, que é definido como o assassinato de mulheres, vitimou um total de 28 mulheres, que foram assassinadas brutalmente no estado do Piauí somente no ano de 2019. Os números são tão assustadores que chegaram a 89,2% dos casos registrados em 2018, onde 25 mulheres foram assassinadas.

Entre os casos, encontram-se características que se assemelham: companheiros ou homens ligados a vítimas por algum parentesco que possuem um histórico de violência verbal e física excessiva em relacionamentos, que chegam a um ponto de assassinarem brutalmente suas esposas e companheiras. A reportagem do GP1 analisou os casos e facas foram as armas mais comuns que foram utilizadas pelos assassinos.

Outra característica é o fato das vítimas, em grande parte dos casos serem assassinadas a facadas, sendo que o crime por muitas vezes é realizado dentro de residências, no ambiente familiar, onde a mulher se encontra em uma situação em que é sustentada pelo marido e com a obrigação de cuidar de seus filhos, o que a impede de deixar uma situação abusiva, na qual ela passa por uma série de agressões até chegar o dia de sua morte brutal.

As dinâmicas dos crimes que foram acompanhadas de forma detalhada pelo GP1, evidencia o fato de que homens queiram ser proprietários das mulheres nas quais se relacionam, como aconteceu no caso de Clevoneide de Jesus Sousa Ferreira, assassinada a facadas na frente de seu filho de 5 anos e de seu pai no município de São Raimundo Nonato por não aceitar ficar presa dentro de casa, querendo ter seu direito de ter um emprego, sua própria liberdade e dinheiro.

“O acusado não queria que ela trabalhasse e ela não aceitava ficar parada em casa, por esse motivo ele matou a mulher. Na ocasião, o pai da vítima tentou salvar a filha e acabou sendo atingido também”, disse o capitão Ivanaldo da Polícia Militar de São Raimundo Nonato, que acompanhou o caso.

Outro caso que mostra como os relacionamentos com ciúmes excessivos contribui para mais uma vítima de feminicídio, teve como vítima a enfermeira Vanessa Carvalho, que morreu quando foi atropelada após uma discussão entre sua amiga Anuxa Kelly e o ex-namorado dela, Pablo Henrique Campos, durante uma festa de casamento. Segundo relatos de amigos que acompanharam a situação que resultou na morte de Vanessa, Anuxa e Pablo passavam por um relacionamento conturbado com muitas brigas.

“O Pablo apareceu correndo, após dar a volta no quarteirão atrás do carro, e foi muito rápido, ele estava muito transtornado, parecia outra pessoa. Conversei com ele, pedi calma, começou uma discussão. Quando meu esposo voltou para ver o que estava acontecendo, o Pablo começou a discutir, ele não quis ouvir meu esposo, aí eu dei a chave para ele. As meninas estavam mais na frente, só deu tempo de eu subir a calçada, vi um carro acelerando. Eu preferia não ter visto aquilo, ele acelerou o veículo para a direita, onde elas estavam. É a última parte que lembro, porque eu desmaiei”, relatou Laiara Ferreira, amiga de Anuxa, que tentou impedir o ocorrido.

Interior do estado registrou 23 feminicídios

As 28 vítimas que foram assassinadas de formas brutais foram identificadas como: Rita dos Santos; Letícia Maria Costa de Arruda; Maria das Graças Silva; Ana Lúcia Rodrigues Cavalcante; Nataciane dos Santos Sousa; Francisca Gorete; Juscilene Soares de Sousa; Francisca Marcelândia da Silva; Elianede Sousa Paiva; Mônica Valéria Messias da Costa; Lorrany Thalia; Célia Marques da Silva; Jaqueline do Rêgo Monteiro Lima; Marlúcia Jacobe dos Santos; Edicia Maria da Silva; Andrea Prado Nascimento; Antônia Souza; Maria Aparecida Espírito Santo de Morais; Sandreia dos Santos Lima; Joana Maria de Brito; Eliane Lima; Vanessa Carvalho; Janaína Maria da Silva; Jacira Pereira do Rego; Jéssica Carvalho da Silva; Clevoneide de Jesus Sousa Ferreira; Rita Aparecida de Sousa e

Os casos no interior do estado aconteceram nos municípios de São Raimundo Nonato; Picos, Piripiri, Campo Maior; Castelo do Piauí; Itainópolis; São Gonçalo; Regeneração; Cocal; Betânia do Piauí; Esperantina; Simplício Mendes; Parnaíba; Marcos Parente; Murici dos Portelas; Passagem Franca; Simões; Redenção do Gurgueia; São Francisco de Assis; João Costa; Ilha Grande; Barras e Alegrete do Piauí, o que totalizou 23 casos. Os cinco casos restantes foram registrados em Teresina.

Teresina

Na contramão dos dados no interior do estado, em Teresina o número de feminicídios caiu em 2019. Em entrevista ao GP1, a delegada titular do Núcleo de Feminicídios do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Luana Alves, fez um comparativo ao ano de 2018, onde em apenas um mês houveram cinco feminicídios.

“Esse ano tivemos uma redução drástica. Infelizmente não tivemos uma diminuição de mortes de mulheres, mas com relação ao número de feminicídios foi uma diminuição. Neste ano nós tivemos quatro feminicídios, sendo que um deles, que foi o caso da Vanessa, não tinha relação amorosa entre o agressor e a vítima e os outros três casos tinham. No ano passado lembro que em duas semanas do mês de maio tivemos cinco”, afirmou.

Apesar da redução, Luana não considera como sendo uma vitória completa, tendo em vista que mulheres ainda morrem vítimas de violência doméstica. “É uma vitória, mas não é uma vitória completa porque uma vítima de feminicídio, uma morte para uma família é praticamente uma onda de destruição, vai destruindo a família. Eu espero que em 2020 a vitória e a luta continue”, continuou.

A delegada destacou ainda a importância do fortalecimento de delegacias especializadas e da punição para quem comete os crimes.

“O que a gente quer é morte zero, nenhuma mulher morrer pelo fato de ser mulher. Na Segurança Pública tem que ter o fortalecimento das Delegacias da Mulher. A gente tem que bater palmas para as Delegacias da Mulher, que estão recebendo essas mulheres, atuando de forma rápida, dando uma sensação ao agressor não de impunidade e sim de punição. Sabe uma mão pesada do Estado em cima deles? Agrediu uma mulher e 48 horas depois vem uma medida protetiva e coloca esse agressor para fora de casa”, destacou.

Celeridade nos julgamentos

O presidente do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), desembargador Sebastião Ribeiro Martins, afirmou que uma das prioridades do Tribunal é dar mais celeridade aos julgamentos de acusados de praticar violência contra mulheres.

Sebastião Ribeiro Martins
Desembargador Sebastião Ribeiro Martins – Foto: Reprodução

“Com relação a feminicídio temos anualmente três semanas para jugar os processos de violência doméstica contra a mulher. É uma das nossas prioridades fortalecer essa rede e este ano de 2019 tivemos vários julgamentos e à medida que estamos julgando, aumentou também o número de casos de feminicídio e violência contra a mulher em geral”, afirmou.

A reportagem do GP1 realizou um levantamento da quantidade de casos que ocorreram em cada mês do ano de 2019 e foi apurado que fevereiro e setembro foram os meses mais violento, pois ambos registraram quatro feminicídios.

Confira os casos registrados por mês:

Janeiro

Eliane de Sousa Paiva, de 29 anos, foi morta com um tiro no peito pelo seu ex-companheiro identificado como Marcelo Amorim da Silva, de 33 anos, que em seguida tirou a própria vida no dia 6 de janeiro.

No dia 23 de janeiro, Rita dos Santos, 62 anos, foi morta no bairro Alto do Cruzeiro em São Raimundo Nonato, região Sul do Piauí. De acordo com o delegado Marcelo Leal, Gerente de Policiamento do Interior, a mulher chegou a ser socorrida ao hospital, mas não resistiu a facada que sofreu no peito e veio a óbito.

Apenas três dias depois, a vítima foi uma jovem de 14 anos, identificada como Letícia Maria Costa de Arruda, que morreu asfixiada. O suspeito do crime é seu primo de 16 anos.

Fevereiro

No dia 2 de fevereiro, Maria das Graças Silva, de 17 anos, foi morta a pauladas pelo namorado. O crime aconteceu em uma residência situada na localidade Espinhos, zona rural do município de Castelo do Piauí. O acusado foi identificado como Francivando Gomes de Sousa, de 19 anos.

Seis dias depois, Ana Lúcia Rodrigues Cavalcante, 32 anos, foi assassinada a pauladas pelo seu marido, identificado como Luís Coelho, de 44 anos, que cometeu suicídio após o crime na zona rural do município de Betânia do Piauí.

Nataciane dos Santos Sousa, 23 anos, foi encontrada morta no dia 17 de fevereiro dentro de uma residência abandonada no bairro São Francisco, em Cocal, região Norte do estado. Segundo a Polícia Militar, ela foi brutalmente assassinada com cerca de 10 perfurações.

No dia seguinte, na cidade de Regeneração, Janiel Pereira da Silva, natural de Angical do Piauí, assassinou a esposa identificada como Juscilene Soares de Sousa, 37 anos, e depois cometeu suicídio no bairro Vila União, na cidade de Regeneração.

Março

O mês de março de 2019, foi um dos que registrou apenas um feminicídio. A vítima foi identificada como Francisca Gorete, assassinada a pauladas pelo ex-companheiro Antônio José da Silva no dia 4 de março na cidade de Picos. Após oito meses, Antônio foi condenado a 15 anos e 7 meses de prisão.

Abril

No dia 4 de abril, Francisca Marcelândia da Silva, 31 anos, foi assassinada no dia de seu aniversário pelo próprio companheiro com um tiro no peito, no município de Alegrete do Piauí, região Sudeste do estado.

Já no dia 26 de abril, Teresina registrou o primeiro caso, que teve como vítima Mônica Valéria Messias da Costa, de 51 anos, assassinada a facadas pelo companheiro, identificado como Gil Carlos Moreira Rodrigues, de 42 anos, em um apartamento localizado na Avenida Celso Pinheiro, no bairro Cristo Rei, na zona sul de Teresina.

Dois dias depois, Maria Aparecida Espírito Santo de Morais, de 17 anos, foi assassinada com várias facadas em Itainópolis. A vítima estava grávida de oito meses. O principal suspeito de ter praticado o crime é um homem identificado apenas como João Filho, tio da vítima.

Maio

No começo do mês, dia 3 de maio, Teresina registrou o segundo feminicídio, o crime teve como vítima a jovem Lorrany Thalya, de apenas 22 anos, que foi assassinada com várias facadas pelo companheiro identificado como Antuniel, de 24 anos, dentro de um apartamento no Residencial Torquato Neto IV, na zona sul de Teresina.

Quatro dias depois, uma mulher identificada como Antônia Souza, 23 anos, foi encontrada morta com golpes de faca no bairro São Cristóvão, na cidade de Barras, localizada a 120km de Teresina, região Norte do Piauí.

Junho

No dia 4 de junho, uma jovem de 20 anos identificada como Joana Maria de Brito Silva foi assassinada a facadas na localidade Furjão, na zona rural do município de São Julião, região Sudeste do Piauí. O acusado do crime, Jonatas de Brito Silva, foi preso no dia 11 de junho em um hospital no Ceará.

Também no dia 4 de junho, a Capital do estado registrou o seu terceiro feminicídio. A vítima foi identificada como Marlúcia Jacobe dos Santos, 43 anos, que foi assassinada com várias facadas no bairro Socopo, zona leste de Teresina. O suspeito é o próprio marido identificado como Francisco das Chagas Pinheiro dos Santos, que já é réu na Justiça. O casal tem três filhos.

Em Ilha Grande, no dia 10 de junho, o corpo de uma mulher identificada como Sandreia dos Santos Lima foi encontrado enterrado no quintal de uma residência situado no município de Ilha Grande do Piauí. A casa pertence a um homem identificado Francisco Olavo Vasconcelos, ex-companheiro de Sandreia. Ela estava desaparecida desde o dia 6 de junho.

Julho

Um mês depois, no dia 5 de julho, uma mulher identificada como Andrea Prado Nascimento, de 41 anos, foi encontrada morta dentro da própria residência situada no Conjunto Broder Ville, no município de Parnaíba. O acusado de ter praticado o assassinato é o companheiro da vítima, o pedreiro Antônio da Conceição, vulgo “Lobisomem”.

Agosto

O mês de agosto de 2019, não registrou casos de feminicídio.

Setembro

No dia 9 de setembro, um homem identificado como Adriano Gomes da Silva foi preso acusado de matar a própria esposa, identificada como Cléia Marques da Silva, de 43 anos, a facadas. O caso aconteceu no bairro Floresta, em Piripiri. Após o crime, o suspeito tentou tirar a própria vida.

No dia 13 de setembro, Jaqueline do Rêgo Monteiro Lima, de 30 anos, foi assassinada com várias facadas na cidade de São Gonçalo do Piauí, distante 125 km de Teresina. O companheiro da vítima, de 32 anos, identificado como Aluízio Lima de Jesus, é o principal suspeito de assassinar a mulher.

No dia 22 de setembro, Eliane Lima morreu após ser espancada ao lado do Mercado Público da cidade de Campo Maior, região Norte do Piauí. O principal suspeito do crime é o companheiro da vítima, identificado como Sebastião Vieira de Sousa, preso em flagrante.

Já no dia 29 de setembro, foi registrado o quarto feminicídio de Teresina, quando uma enfermeira de 28 anos, identificada como Vanessa Carvalho morreu e sua amiga, Anuxa Kelly Leite de Alencar, 34 anos, ficou gravemente ferida após serem atropeladas por um Jeep Renegade na Avenida Homero Castelo Branco, zona leste de Teresina pelo empresário Pablo Henrique Campos Santos, ex-namorado de Anuxa.

Outubro

No dia 16 de outubro, Janaina Maria da Silva, de 25 anos, foi encontrada morta dentro de casa no município de Simões, região Sudeste do Piauí. O corpo da mulher estava em um dos quartos da residência com uma corda no pescoço. O marido da vítima, Cesário João de Carvalho, de 37 anos, confessou, após ser preso, ter matado ela com uma corda dentro de casa.

Dois dias depois, uma jovem de 23 anos, identificada como Jacira Pereira do Rego, foi assassinada com golpes de facão no município de Redenção do Gurguéia. O companheiro da vítima, identificado como Roberci Messias Quirino, de 30 anos, confessou o crime à polícia e alegou em depoimento que praticou o crime após descobrir uma traição por meio de supostas mensagens no celular da vítima.

Novembro

No dia 11 de novembro, Edicia Maria da Silva foi assassinada a facadas, o principal suspeito do crime é o companheiro da vítima, conhecido como Regivaldo, que foi preso e teve a prisão preventiva e decretada.

No dia 23 de novembro, Jéssica Carvalho da Silva, de 23 anos, foi assassinada com uma facada no pescoço no Povoado Canto do Xavier, em Murici dos Portelas. O acusado de cometer o crime é ex-companheiro da vítima, identificado como Antônio de Carvalho da Conceição, de 42 anos e foi preso em flagrante. Após ser encaminhado para a Polícia Civil, o suspeito foi encontrado morto dentro de uma cela.

O último caso de novembro, ocorreu no dia 25, quando Clevoneide de Jesus Sousa Ferreira foi assassinada a facadas na frente do seu filho de 5 anos no município de São Raimundo Nonato. O acusado do crime é o marido da vítima, identificado como Eronildo Brito dos Santos. Na ocasião, o pai da vítima tentou salvar a filha e acabou sendo atingido também e sobreviveu.

Dezembro

Morreu no dia 23 de dezembro, a mulher de 57 anos, identificada como Rita Aparecida de Sousa, que foi baleada na cabeça dentro de uma residência no município de João Costa, distante 380 KM de Teresina. Rita Aparecida foi baleada dentro de casa após tentar proteger a filha, que seria alvo da ação do ex-namorado, Alex Gomes Santana. Ele foi preso no dia 24 de dezembro.

O quinto feminicídio registrado no ano de 2019, ocorreu no último dia 29 de dezembro. O caso não passou por investigação do Núcleo de Femincídios do Departamento de Proteção à Pessoa (DHPP), devido ao suspeito, Gilson Soares Félix, ter cometido suicídio após matar a ex-esposa Sildimar de Oliveira Ribeiro, de 57 anos, a tiros dentro de um apartamento no bairro Morada Nova, zona sul de Teresina.

Saiba como pedir ajuda

O Salve Maria é um serviço do Governo do Estado do Piauí que viabiliza o envio de denúncias da população de forma anônima. As mensagens são enviadas através de um canal seguro e recebidas por um servidor público que dará seguimento para que sejam tomadas as providências cabíveis ao caso. Estados como o Maranhão e Acre estão adotando o aplicativo que ainda contém um botão do pânico para emergências.

Baixe aqui o aplicativo no seu celular com Android.

Baixe aqui o aplicativo no seu celular com IOS.

A delegacia de Plantão de Gênero funciona 24 horas, quatro dias na semana, para atender a mulheres, crianças, travestis e transexuais em toda e qualquer situação de violência doméstica e familiar. Ele funciona no âmbito da Central de Flagrantes de Teresina, na Rua Coelho de Resende, Centro/Sul. O telefone para contato é o: (86) 3216-5038.

Fonte: GP1

Comentários Facebook

Artigos relacionados

Fechar
Fechar