Monsenhor HipólitoMunicípiosNotícias

Monsenhor Hipólito: Abelhas mortas em suposto envenenamento são periciadas em São Paulo

A morte de abelhas dentro do apiário ocorrida recentemente, no município de Monsenhor Hipólito, na região de Picos, foi denunciada por produtores daquela região na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, em Teresina. De acordo com a denúncia, as abelhas podem ter morrido envenenadas após ataque criminoso.

De acordo com informações da delegada do Meio Ambiente, Edenilza Viana, as abelhas encontradas mortas foram enviadas para São Paulo, onde irão passar por uma perícia. E o resultado do teste vai identificar a causa da morte dos insetos.

Colmeias foram envenenadas na localidade Lazam Velha, zona rural de Monsenhor Hipólito
Colmeias foram envenenadas na localidade Lazam Velha, zona rural de Monsenhor Hipólito

Se comprovado o crime, segundo a delegada, a pena prevista é de seis meses a um ano de detenção, por ser um crime contra o meio ambiente e contra o patrimônio.

O assunto foi tratado no Programa 70 Minutos, apresentado pelas jornalistas Shirley Evangelista e Eli Lopes.

O Piauí é o terceiro maior produtor de mel do Brasil e o primeiro do Nordeste. Também exporta para os Estados Unidos. O mel do Piauí tem selo orgânico e atos desse tipo podem prejudicar a economia.

Na manhã da terça-feira (26), aconteceu uma reunião na Secretaria Estadual da Segurança Pública com a presença do secretário Rubens Pereira, delegada de Proteção ao Meio Ambiente, Edenilza Viana, do presidente das Câmaras Setoriais do Piauí, Paulo Henrique Miranda, tenente-coronel Walber Leite, capitão Josué Eugênio e produtores de mel da região.

“Estamos suspeitando que houve um envenenamento de colmeias com o uso de produtos químicos, não podemos ver o nosso mel contaminado, principalmente com produto químico”, alertou o presidente,      acrescentando que a ação foi percebida após encontrar abelhas mortas dentro das colmeias. “O apicultor chegou ao local de produção e se deparou com a cena das abelhas mortas dentro das colmeias, e isso é um    primeiro sinal de envenenamento”, alertou Paulo Henrique Miranda, ao acrescentar que esta não é a primeira vez que se tem conhecimento deste tipo de crime contra as abelhas.

A delegada Edenilza Viana também falou sobre as ações tomadas. “Tivemos uma reunião com a Associação    dos Apiários, juntamente com a ADAPI e o secretário de Segurança Pública, na qual tivemos a iniciativa de conversar com todos, para que eles procedam, na parte criminal, fazendo Boletim de Ocorrência, na cidade de Picos. A ADAPI já fez a coleta das abelhas, para saber, realmente, qual foi o motivo da morte, se foi por causa humana ou natural”, relata

Ela diz ainda que, a princípio, o que foi averiguado foi por causa humana e que os responsáveis responderão, individualizadamente, sobre a autoria e materialidade do crime, de acordo com o artigo 29, da Lei de Crimes Ambientais.

“Nós sabemos que 90% de polinização das flores depende das abelhas. Além da produção do mel, elas têm um papel importante no ecossistema. A população tem que entender a importância ambiental e patrimonial, porque muitas pessoas vivem daquela renda, da produção do mel”, explica a delegada.

Meio Norte

Comentários Facebook

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar