DestaqueMunicípios

Justiça aplica multa e determina a perda de mandato de prefeito no Piauí

Ariano Messias - prefeito de Cristalândia.
Ariano Messias – Foto: Reprodução

Por irregularidades na prestação de contas de recursos recebidos pelo Governo Federal, a Justiça Federal no Piauí determinou a perda de mandato do prefeito de Cristalândia Ariano Messias Nogueira Paranaguá (PP). A denúncia por improbidade administrativa partiu do Ministério Público Federal (MPF) no Piauí que foi aceita como ação civil pública pela Justiça Federal.

Conforme a denúncia no MPF, o então ex-gestor na época não enviou o demonstrativo sintético anual da execução físico-financeira e não comprovou a execução dos recursos do programa do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (PDDE – Programa Direto na Escola/2007, Pnate/2008 e Bralf – Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos/2008).

PDDE
Quanto aos recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) tem por finalidade prestar assistência financeira, em caráter suplementar, às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal, a denúncia diz que o ex-prefeito não enviou demonstrativo sintético anual de execução físico financeira e nem comprovou a execução dos recursos do programa.

FUNDEB
Sobre os recursos recebidos pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – Fundeb, recebidos em 2007, as prestação de contas apresentadas pelo gestor mostram a ocorrência de fracioanmento de despesas, cuja a soma ultrapassa os limites de dispensa de licitação. Já no ano seguinte, faltaram peças essenciais na prestação de contas, com despesas, cujo valor superou os R$ 60 mil, limite maior que dispensaria licitação.

Outro lado
Sobre as denúncias apresentadas, Ariano que está novamente a frente do executivo municipal de Cristalândia do Piauí, alegou que a Justiça Federal não tem competência para processar e/ou julgar a ação. Ainda segundo o prefeito, as irregularidades encontradas foram encontradas no PDDE/2007 e só aconteceram porque ele foi afastado da gestão municipal no ano de 2008, tendo as contas sido prestadas vários anos depois de ter deixado a prefeitura. Sobre os recursos do Brasil Alfabetizado (Bralf), os recursos teriam sido sacados por seu sucessor e não por ele, já que ele deixou a prefeitura em 4/12/2008. Sobre algumas prestação de contas fragmentadas, ele alegou que as despesas foram pagas com despesas de transporte ofertadas por pessoas, rotas e serviços diferentes.

CONDENAÇÃO
O prefeito Ariano Messias (PP) foi condenado pelo juiz Adonia Ribeiro de Carvalho Neto, da 3ª Vara Federal, a ressarcir integralmente os danos causados aos cofres públicos de Cristalândia, por não comprovação da aplicação regular de recursos, totalizados na época de R$ 49.079,55, mais os juros pertinentes aos anos que já se passaram, além de multa civil no valor de R$ 30.000,00; suspensão dos direitos políticos por cinco anos; proibição de contrar com o poder público ou receber benefícios, incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente pelo prazo de cinco anos; e ainda perda da função pública que ocupar; conforme sentença proferida em 23 de fevereiro de 2017.

Apesar das comprovações das denúncias, cabe recursos ao Tribunal Regional Federal da 1ª região.

Portal R10

Comentários Facebook

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar